2leep.com

18 de junho de 2014

Zeitgeist - Addendum - 2008


Segundo filme da trilogia Zeitgeist.
Para assistir e pensar.


Zeitgeist Addendum foi lançado no ano de 2008 sendo o segundo filme da trilogia dirigida por Peter Joseph. Aborda questões sobre a forma de emissão de moeda nos EUA, a atuação da CIA, o mundo empresarial e sua influência nos governos, instituições financeiras e religiões. Mostra a corrupção existente nas instituições e os malefícios de uma sociedade consumista.



Assista também:

Zeitgeist - The Movie - 2007

Zeitgeist - Moving Forward - 2011

Link para a página oficial

Zeitgeist - The Movie - 2007


Para assistir e pensar.
Versão completa.



Produzido por Peter Joseph, o filme aborda temas como religião, 11 de setembro e o funcionamento do Federal Reserve. Lançado online livremente via Google Video em Junho de 2007. O filme é estruturado em três partes:

Primeira: "The Greatest Story Ever Told" - "A maior história já contada" - início aos 13 min

Segunda: "All The World's A Stage" - "O mundo inteiro é um palco" - aos 40 min

Terceira: "Don't Mind The Men Behind The Curtain" - "Não se importem com os homens atrás da cortina" - aos 74 min

Assista também:


Zeitgeist - Moving Forward - 2011

17 de junho de 2014

Assim não há credibilidade que resista

No início a Globo - na voz do Jabor - chamava os manifestantes de desocupados que protestavam por mero vinte centavos. O diretor de pornochanchadas acabou tendo que fazer um mea culpa logo depois.


Quando a coisa tomou corpo a Globo fez um "especial" de muitas horas mostrando as manifestações ao vivo. Era uma clara tentativa de tirar as atenções das redes sociais. Lembro que no final a repórter disse que o protesto era uma "festa da democracia".


A partir dali, em todos os protestos seguintes, os manifestantes eram chamados de vândalos nos noticiários da Globo. Mas na internet a Globo era rotineiramente desmentida por toneladas de vídeos.


Agora, que a mesma Globo sofre uma crise a Copa - pois se divide entre ter que agradar seus patrocinadores e ao mesmo tempo derrotar o evento visando as eleições - acabei de ver a Globo chamar os manifestantes de manifestantes.

Assim não há credibilidade que resista.

9 de junho de 2014

Os discursos de Dinho Ouro Preto - Alexandre Périgo


Nem faz tanto tempo assim e havia um enorme contingente de pessoas, em todas as classes sociais, que se orgulhava de dizer que "detestava política". E eu, marxista de tudo e inocente que só, achava isso o fim da linha.

Mas hoje não, esse Brasil não existe mais; agora todo mundo é "politizado". Pena que tal politização seja mais simplista que os discursos de Dinho Ouro Preto. E tal simplismo vem (mal) acompanhado de um maniqueísmo de fazer qualquer novela da Globo, filme de Hollywood ou livreto de José de Alencar pulularem de inveja. É o "maniqueísmo-Brasil", muito pior que qualquer "custo-Brasil" ou "fator-Brasil" que inventem por aí.

E nesse tabuleiro vermelho e azul há de um lado (que eles pensam ser o lado esquerdo, mas não é) os que defendem o governo federal a qualquer custo, totalmente avessos a criticas e cegos, totalmente cegos frente aos erros cometidos pelo PT nos últimos 12 anos. Estes gostam até de colocar apelidos infantilizados em seus inimigos políticos, veja a que ponto se chegou.

Do outro lado (que eles dizem ser o centro, mas não é) há os que babam e que tomam para si posições neofascistas sem ao menos se darem conta disso. Acham, entre uma Caps Lock e outra, que quem é contra os linchamentos nas ruas é a favor de bandido, que quem gosta de futebol é comunista, que todo petista é bandido e que quem aponta machismos é gayzista. Esses não costumam ter idéias nem apoiar ninguém efetivamente. Contentam-se em criticar os do outro lado.

Ambos os grupos, apesar de parecerem antagônicos, pautam-se num princípio comum: se não está conosco é contra e, portanto, não presta. Maniqueísmo-Brasil na veia.

Enquanto esses dois grupos se espezinham, espremidos num cantinho ficam aqueles coitados que sempre foram politizados realmente, que se preocupam em beber de fontes sérias antes de se posicionarem e que são, sobretudo, críticos. Mas nesse novo país politizado esses aí não tem vez.

Hoje até comprar álbum de figurinhas de um torneio de futebol pode te qualificar para alguns ("tamo junto, companheiro!") ou te demonizar pra outros ("petralha maldito!"). Tresloucados novos tempos, quem diria: eu e meu marxismo dialético preferíamos o Brasil dos que detestavam política e que adoravam Copa do Mundo...

---------------------

Sobre o Autor: Alexandre Périgo é um paulista-mineiro, gente boa, pai da Pitú e grande amigo virtual.

Educação é tudo

8 de junho de 2014

O mundo, segundo os EUA

Fonte: Lunação

O Complexo de Vira-latas - Leandro Caproni - 2014


O termo Complexo de Vira-Latas denomina um sentimento característico de determinadas classes da sociedade brasileira. Esse sentimento, marcado por derrotismo, pessimismo e má informação, está muito ligado à negação do que somos como brasileiros. O documentário O Complexo de Vira-Latas explica esse sentimento, discute o tema e faz um breve panorama social e político da realidade brasileira.



Direção

Roteiro
Leandro Caproni
Priscila Chibante

Produção 
Diego Silva
Bruno Silveira
Nathália Bomfim
Priscila Chibante
Bruno Aranha

Leitura da Crônica
Wallace Soares


7 de junho de 2014

Primeiro julgamento de PMs em função da conduta nos protestos

O vídeo



"FLAGRANTE 1: Vergonha: No Rio, policial forja posse de morteiro para deter um jovem manifestante durante o protesto dos professores no dia 30 de setembro, no Centro do Rio.

As imagens mostram o policial jogando três morteiros aos pés de um rapaz, que caminhava acompanhado por um grupo pela Rua São José, por volta das 20h30m. Em seguida, ele é algemado por outro PM e levado pela rua, sob protestos de outros manifestantes. No vídeo, ouve-se claramente o policial dando voz de prisão ao rapaz. "Eu não fiz nada", diz o jovem, ao ser algemado. "Está preso, está com três morteiros", responde o PM.

SOBRE A FALSA ACUSAÇÃO DE FLAGRANTE FORJADO

A acusação de flagrante forjado é grave e, neste caso, equivocada. O menor exposto no vídeo sendo detido pela PM não teve imputada a ele nenhuma posse de morteiro ou similar. Não houve flagrante. Ele foi conduzido para a delegacia onde foi feito apenas um registro de Conduta Atípica, sem atribuir a ele posse de nenhum material.

O procedimento 005-10087/2013 da 5ªDP (Mem de Sá) registra o encontro de três (3) morteiros na calçada. Não atribui sua posse a nenhum manifestante. Minutos antes de sua detenção, o menor foi visto em correria junto com outros manifestantes mascarados. A autoridade policial o deteve apenas para averiguação. Ele foi liberado na delegacia na presença de uma responsável. Vale lembrar que na noite seguinte, de terça-feira (01/10) foram depredadas 23 agências bancárias, e duas lojas de telefones celulares (ambas com furto de material)", encerra a nota divulgada pela polícia.

FLAGRANTE 2:

Policiais infiltrados causam tumulto ao passar pelo meio da própria polícia militar, não sendo previamente reconhecidos pelos mesmos. Vídeo feito durante a manifestação da recepção do Papa no Rio de Janeiro, 22 de Julho às 19:53 na Av. Pinheiro Machado, em Laranjeiras."


"O julgamento desse PMERJ será nessa próxima semana. Pedimos que divulguem o vídeo. Na próxima quarta-feira, 11/06/2014, vai ocorrer a audiência para ouvir as testemunhas de acusação do caso em que o Major Fabio Pinto e o Tenente Bruno Ferreira acusaram falsamente o Isaac, menor de idade, de carregar morteiros num protesto. Vídeos provam que o tenente jogou os morteiros no chão.

A acusação é de constrangimento ilegal, de acordo com o Código Penal Militar. A audiência ocorrerá no Cartório da Auditoria Civil Militar, que fica na Av. Erasmo Braga, 115, 13º andar, sala 1.304, no Fórum, às 13h30. Este é o primeiro julgamento no país de PMs por crimes cometidos em protestos desde que começaram as manifestações em junho de 2013.

Vamos apoiar, seja divulgando, seja comparecendo ao Fórum no dia do julgamento."


O momento que o policial joga o material no chão.


Uma observação importante:

Não há previsão legal para "prender para averiguação" ou para registrar "conduta atípica". Isso é prisão ilegal, logo, decorrente de abuso de autoridade.

No atual ordenamento jurídico brasileiro a prisão só é legal se: 1) for em decorrência de flagrante por conduta prevista como crime ou; 2) resultante de ordem judicial.

Qualquer outra forma de prisão é ilegal.

Importante destacar também que a PM agiu claramente sob as ordens e "proteção" do então Governador Ditador Cabral. Agora ele não é mais governador. O Secretário de Segurança dele está sendo acusado pelo MP de improbidade.

E adivinha quem vai ser punido???

Cabral ou o policial???

5 de junho de 2014

Fifa invade, saqueia e vai embora

3 de junho de 2014

Decálogo de Bertrand Russell


•Não tenhas certeza absoluta de nada.

•Não consideres que valha a pena proceder escondendo evidências, pois as evidências inevitavelmente virão à luz.

•Nunca tentes desencorajar o pensamento, pois com certeza tu terás sucesso.

•Quando encontrares oposição, mesmo que seja de teu cônjuge ou de tuas crianças, esforça-te para superá-la pelo argumento, e não pela autoridade, pois uma vitória dependente da autoridade é irreal e ilusória.

•Não tenhas respeito pela autoridade dos outros, pois há sempre autoridades contrárias a serem achadas.

•Não uses o poder para suprimir opiniões que consideres perniciosas, pois as opiniões irão suprimir-te.

•Não tenhas medo de possuir opiniões excêntricas, pois todas as opiniões hoje aceitas foram um dia consideradas excêntricas.

•Encontres mais prazer em desacordo inteligente do que em concordância passiva, pois, se valorizas a inteligência como deverias, o primeiro será um acordo mais profundo que a segunda.

•Sê escrupulosamente verdadeiro, mesmo que a verdade seja inconveniente, pois será mais inconveniente se tentares escondê-la.

•Não tenhas inveja daqueles que vivem num paraíso dos tolos, pois apenas um tolo o consideraria um paraíso.

Leonel Brizola x Globo - Direito de Resposta


No dia 15 de março de 1994, o âncora do Jornal Nacional, Cid Moreira, foi obrigado por uma ordem judicial a ler o direito de resposta dado a Leonel Brizola. Um dia que entrou para a história.

Assista e divulgue.

2leep.com