2leep.com

29 de junho de 2013

Eduardo Paes e Fifa. Mais um grave ataque à democracia.

Primeiro leia com atenção o comunicado do Prefeito do Rio, Eduardo Paes:


"Atenção

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro através da Subprefeitura da Grande Tijuca comunicou em avisos distribuídos no comércio local que a Rua São Francisco Xavier (trecho entre a Rua Oito de Dezembro e a Rua Barão de Mesquita) e a Rua General Canabarro, também estarão interditadas ao trânsito e estacionamento de veículos no dia 30 de junho, das 13 horas até as 24 horas de Domingo. Além do esquema de trânsito já divulgado anteriormente, que continua a valer.

Só será permitido o acesso aos veículos de moradores mediante a apresentação de comprovante de residência ou credenciais distribuídas para acesso as ruas já interditadas anteriormente. Os pedestres também devem andar com comprovante de residência, já que a circulação a pé só será permitida a quem portar ingresso ou comprovante de residência na área interditada.

Atenção, ao sair de casa, leve conta de luz, telefone ou similar para evitar ser impedido de retornar."

Agora o texto constitucional:

"Artigo 5º, XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;"

Então, o que temos?

A Constituição diz que é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz. Não estamos em guerra declarada e a Tijuca (bairro do Rio de Janeiro próximo ao Maracanã) é parte do território nacional.

O Prefeito Eduardo Paes determina - sem justificar ou demonstrar a base legal - que as pessoas não podem andar pelas ruas citadas sem "portar ingresso ou comprovante de residência na área ... para evitar ser impedido de retornar".

O que está acontecendo com o Brasil? O que se passa na cabeça desses governantes?

Essa rota de colisão com o povo e com as leis - especialmente a Carta Política - que juraram defender quando assumiram seus postos não pode ser vista de outra forma senão como um ataque à democracia. 

Desse ataque faz parte a grande mídia que não mostra a realidade das manifestações, faz parte também todos os que se calam diante das arbitrariedades cometidas com a exclusiva finalidade de encher as burras de dinheiro às custas do erário.

Senhores governantes, torçam para que aconteça o tal golpe de estado que a oposição parece estar arquitetando, pois se não acontecer, será uma questão de tempo para que os senhores e os seus estejam respondendo por seus atos arbitrários nos tribunais.

Leia também:




28 de junho de 2013

Leve-nos a seus líderes!

O governo - das três esferas - está divulgando e a imprensa repercutindo imagens e notícias que "estão se reunindo com os líderes do movimento". Tudo conversa fiada. Estão se encontrando com pessoas que representam esta ou aquela organização que faz um ou outro pedido.


O que está acontecendo no Brasil é muito maior, muito mais profundo e fragmentado. A demanda é por tudo que foi prometido e negado ao povo brasileiro desde quando há povo brasileiro. Possivelmente se os políticos estivessem cercados de estudiosos os protestos não estariam acontecendo agora. Mas eles se cercaram do pessoal que vende sabão e mais um monte de puxa-sacos.

A turma que vende sabão criou/vendeu uma imagem dos políticos e do Brasil que não corresponde à realidade. O cordão dos puxa-sacos fez seu papel de puxasaquear e os políticos acabaram acreditando que a falsa imagem criada pelos vendedores de sabão era a verdade. O resultado é uma total dissociação entre os que ocupam os poderes da república e o verdadeiro Brasil.

A dissociação se demonstra através do investimento de bilhões de reais para bancar a realização de gigantescos eventos esportivos em um país sem saúde, sem educação, sem transporte decente e onde o próprio governo é o primeiro a descumprir as leis. Um país onde o povo é feito de otário pelos prestadores de serviços, onde tudo é mais caro e nada funciona como deveria. Onde ladrão de galinha fica preso e corrupto milionário posa de bacana.

A Globo e outros grandes canais da mídia podem tagarelar o que quiserem. O fato é que milhões de pessoas não vão às ruas protestar a troco de nada. Existe sim uma forte tensão entre o povo e o Estado. Mas diferente de outras épocas não é golpismo nem ideologia. É um fato decorrente do Estado Brasileiro ter se colocado em rota de colisão com o Povo Brasileiro.

"Libertatem. Libertatem. Aperite alas super nos ...

... e que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz ..."


Liberdade é difícil de conceituar. Pensadores tentam, cada um a sua maneira e de acordo com seu tempo, mas não há consenso.

Só numa coisa todos concordam.

Onde há miséria liberdade não há.

23 de junho de 2013

Saúde no Brasil - Maxx e Mariana Rangel


Um sistema de saúde depende de recursos humanos, materiais, tecnológicos, financeiros e organizacionais, além de um rígido controle e aferição de resultados. A quantidade de tais recursos deverá ser suficiente para atender a demanda no que se refere à quantidade, acessibilidade, distribuição e qualidade dos serviços.

O funcionamento do sistema necessita de todos os elementos pois a ausência de um deles - qualquer um - resultará na ineficácia do todo, isso é exatamente o que temos na atualidade. Importante destacar que o Brasil tem uma grande extensão territorial e os problemas que o sistema de saúde enfrenta no sul são diferentes do sudeste e não são iguais no norte. Em cada lugar o sistema falha por ausência de um ou mais elementos necessários.

No Brasil muitos são os resquícios de uma medicina curativista que em regra não se preocupa com a(s) causa(s), dando ênfase a doença e não a saúde. Trata-se de um modelo que privilegia a indústria farmacêutica e os exames altamente tecnológicos e caros, muitas vezes expondo o paciente a exames desnecessários. Países como Canadá e Cuba - que apresentam excelentes resultados nos índices de saúde da população - têm sua atenção voltada para a medicina preventiva que além de mais barata mostra excelentes resultados.

Ultimamente tem acontecido uma mudança nessa realidade através de alguns programas tais como o ainda jovem PSF (atual ESF - Estratégia de Saúde da Família) e ao indiscutivelmente bem sucedido programa de vacinação. Mas ainda há muito o que se fazer para que o caráter do sistema de saúde seja totalmente voltado para a prevenção. Um dos motivos da superlotação nos hospitais dos grandes centros (que tanto é questionada) é a falta da medicina preventiva, inflando todo o sistema.

A vinda dos médicos estrangeiros, em especial os Cubanos, será um avanço na prática da medicina preventiva barata e eficiente. O contato com esses profissionais poderá acrescentar muito aos envolvidos com a saúde no Brasil. Poderão suprir a demanda onde há real carência em locais onde pessoas morrem por enfermidades básicas. Mas não basta isso, o governo precisa investir em hospitais, equipamentos, medicamentos além de dar condições aos profissionais de desenvolverem procedimentos de alta tecnologia.

A falta de médicos no país e a concentração dos mesmos nos grandes centros (em especial na região sudeste) são outros problemas que não podem ser ignorados. Segundo uma pesquisa apresentada pelo CRM, no Brasil em 2011 havia 1,8 médico pra cada 1000 habitantes. A projeção é que só em 2050 teremos 4,3 médicos para 1000. Isso é insuficiente e para efeito de comparação em Cuba atualmente essa proporção é de 6,4 médicos para 1000.


Leia. Pense. Participe.

O maior manifesto talvez fosse ler mais, muito mais - Celia Schultz

Texto de autoria de Celia Schultz

"Que o país está, como esteve desde que nasci, uma porcaria... procede. A diferença é que até 84 não poderia dizer, né?

Eu acho que desde a 1ª República isso aqui é um ninho de corrupção e não teve mais nem menos. Talvez menos na Era Vargas ou com o João Goulart (talvez).

Nem adiantou ter pluripartidos ou não ter partido, não adianta o mais democrático ou o menos democrático ir ao poder. Nem na hora de pagar impostos vemos democracia.

Uma hora pede-se o exército, outra hora teme-se e xinga o exército, depois pede-se o exército de novo. Isso faz parte do intelecto de um povo que jamais deixou de ser paternalista, que acredita em salvadores da pátria, que acredita em mocinhos com um lenço no rosto, tipo cowboy americano, que como uma donzela, aguarda seu forte protetor.

O manifesto cresce, a confusão aumenta e as pessoas parecem perdidas em seus desejos.

Lutou-se tanto pelo voto direto, teve gente que morreu nessa amarga esperança e hoje, por imediatismo da situação, acredita-se que ele não vale mais nada já que toda (ou quase) vez que se vota, nada ou pouco melhora.

No entanto, acho um disparate achar que um partido é mais corrupto que o outro, que um governo é mais corrupto que o outro pois a corrupção chegou aqui com a república.

O maior manifesto talvez fosse ler mais, muito mais. Não ver mais a escola como um tédio. Investir em grêmios estudantis. Formar pessoas com índole moral política, cidadã. Vi jovens no manifesto que ignoram o que são grêmios. Vi adultos no manifesto que jamais leram sobre o Frei Tito.

Já ajudaria se todos lessem todos aqueles artigos de uma Carta, chamada Constituição Federal.

O grito de desespero é louvável, entretanto, nunca conseguiu substituir a palavra coerente e embasada. O grito sempre precisará ser muito alto, talvez seja agora e dará certo. Mas, caso não seja, tudo voltará ao que era e aguardarão que as pessoas fiquem roucas. A palavra nem precisa ser pronunciada. Lida ou escrita cedo ou tarde, terá valor."


22 de junho de 2013

Sérgio Cabral - O Ditador do Rio de Janeiro - faz política usando polícia e rasgando a Constituição

Na ausência de política de saúde, política de educação, política de transporte e política de desenvolvimento o Ditador do Rio de Janeiro resolveu que iria impor sua política pessoal através do uso da polícia.

Fazer política usando a polícia não é nenhuma novidade. Rasgar a Constituição também não é novidade. A novidade é que antigamente as provas dos desmandos ficavam restritos a um pequeno círculo. Hoje as provas estão na rede e qualquer um em qualquer lugar do mundo pode acessar.

Fiz uma coletânea - que não para de crescer - com vídeos e relatos dos absurdos ocorridos no Rio de Janeiro. Vou atualizando aqui sempre que der.

Espero que todas as autoridades que não compactuam com esses desmandos tomem as providências necessárias apurando responsabilidades e levando os culpados por esses atos absurdos aos tribunais.

As agressões foram gratuitas e desproporcionais. Não estamos falando dos bandidos que se aproveitaram das manifestações para cometer toda a sorte de crimes, refiro-me aos cidadãos que estavam nas ruas de forma ordeira expressando seu descontentamento, exercendo seus direitos constitucionais.

Não precisamos de comissão da verdade. Não precisamos da grande mídia. Assista as imagens. Leia os relatos. Tire suas conclusões.

Rio de Janeiro - 16/06/2013


Rio de Janeiro - 16/06/2013


Rio de Janeiro - 16/06/2013


Rio de Janeiro - 20/06/2013


Rio de Janeiro - 20/06/2013


Mas qual o motivo disso tudo??? Seria uma estratégia onde após criar um clima de total instabilidade social apresentar como "única solução" um estado de exceção ou mesmo um golpe de estado. Afinal, o Cabral é do mesmo partido do vice-presidente e poderia até ganhar com isso. Vai saber...

Mas uma coisa é certa, o povo do Rio não pode deixar passar em branco, devemos divulgar, cobrar punições e principalmente, nunca mais votar em Cabral, Paes e cia.

Atualização 23/06/2013

A nova arma do Ditador do Rio de Janeiro


Como é comum aos governantes que fazem da força sua forma de governo foi noticiado hoje nos jornais: "A Polícia Militar do Rio conta com uma nova arma para dispersar manifestações: um caminhão-tanque com jato d'água de alta pressão. Quem estava no Centro da cidade neste sábado pode ver o veículo, escoltado por quatro motocicletas, indo para a sede do Batalhão de Choque, na Cidade Nova."


Atualização 24/06/2013

Mais um vídeo que mostra a repressão policial desmotivada, desastrada e inconstitucional da polícia sob o comando de ditador Sérgio Cabral. Assista com atenção e veja que por um longo tempo os manifestantes que estavam em protesto pacífico foram agredidos com bombas de gás e cavalaria. Tal ação da polícia acabou por provocar a esperada reação que resultou na maior afronta ao Estado de Direito desde a promulgação da Constituição Federal de 1988.

As responsabilidades serão apuradas e em momento oportuno terá que ser respondida a pergunta: DE QUEM FOI A ORDEM?

Rio de Janeiro - 20/06/2013


Atualização 03/07/2013

As atitudes imperiais e inconstitucionais do Governador/Ditador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, começam a ser questionadas na justiça, conforme veiculado no Jornal O Diário de Campos dos Goytacazes de Campos dos Goytacazes do dia 03/07/2013.

Ação popular questiona compra de armamentos de repressão com dispensa de licitação e em total desacordo com o que determina o Exército, que é responsável pelo controle de armamentos. Clique na imagem abaixo e leia a notícia na íntegra.



São muitos os vídeos e relatos.
Vou atualizando sempre que der.

Pausa para reflexão - Sergio Azevedo

Todos os crédito do texto para seu autor Sergio Azevedo a quem agradeço.



"Pausa para reflexão.

Se todos estamos buscando um país melhor, mais eficiência no uso dos recursos públicos e mais recursos para a educação e saúde temos que ser racionais e tomar sempre a melhor decisão para toda a sociedade. 

No caso dos estádios, se o erro de construi-los já é fato consumado, penso que a melhor decisão é promover a Copa e tentar trazer o máximo de retorno possível, tanto em grana, quanto em empregos e projeção internacional para tentar tirar o prejuízo e direcionar esses recursos para o que, agora, a sociedade entendeu que é o melhor (e é o que muita gente já vem dizendo desde a década de 70 e eram taxados de estraga prazeres, antipatriotas e outra coisa menos publicáveis, quando não eram torturados enquanto o país comemorava os gols do Pelé) e, depois da Copa, discutir essa mudança dos objetivos da sociedade, o que eu acho extremamente salutar.

A decisão de sabotar a Copa só vai mostrar que o real objetivo por trás de tudo é reles política partidária e que a preocupação com investimentos em educação e saúde não é sincera, pois essa decisão é que estará ajudando a tirar recursos dessas áreas."

Leia. Pense. Divulgue.

Eu nasci no ABC... - Vainer Magnani

O texto abaixo foi incorporado com autorização de Vainer Magnani a quem são devidos todos os créditos.

"Eu nasci no ABC e vivi boa parte da minha vida em São Bernardo do Campo. Fui petista de carteirinha e estrelinha vermelha no peito. Tive brigas e discussões homéricas com meu pai por causa da minha “ideologia petista”.

Meu velho pai sempre me dizia que se por acaso Lula ou outro petista chegasse ao poder no Brasil, o país iria para o buraco. Com toda a rebeldia inerente aos jovens, eu contestava quase de forma violenta tudo o que meu pai dizia.

Hoje percebo o quanto meu pai tinha razão. Em três mandatos consecutivos na Presidência da República, estamos vendo coisas que nunca seria capaz de imaginar em minha juventude. Ao invés de um governo justo, temos um governo larápio e sanguessuga. Nunca na história desse país houve tamanha falta de compromisso por parte dos representantes eleitos pelo povo para com o povo que os elegeram.

Sob os auspícios de um governo petista, um mentecapto racista e homofóbico preside, pasmem, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.

Sob a égide de um governo petista, os fundamentalistas de direita, boçais como Jair Bolsonaro, intentam, de forma sub-reptícia, implantar uma nova ditadura conservadora em nosso país.

Não me causa surpresa o fato de que, sob a égide de um governo petista, as massas cansadas e inconformadas saiam às ruas pugnando pela ética na política. De fato, estamos cansados de fazer papel de otário para os bandidos do PT."

Agora uma observação minha:

Concordo totalmente com o que o Vainer falou, mas rejeito - acredito que ele também - a tese de alguns oportunistas segundo a qual: já que não se gosta do PT então fora Dilma. Golpe de estado é coisa de republiqueta e nosso país deve ser maior que isso.


O que eu quero é um governo que saia do discurso e mostre resultados concretos no que se refere à educação, saúde, segurança, transportes, probidade, e por aí vai. Estou cansado é do papo dissociado da realidade seja do PT PMDB, PSDB e todos os outros, o que também não significa que sou a favor da extinção dos partidos. Nesse ponto quero que os partidos se depurem e se transformem em partidos deixando de ser as quadrilhas que são atualmente.

Política é coisa séria

Sobre o Projeto de Lei 480 - Tati Riotti Pancev

O texto abaixo foi incorporado com autorização de Tati Riotti Pancev a quem são devidos todos os créditos.

"Amigos(as) 

Conforme o prometido, está aí a reestruturação do PL 480 documento a mim entregue por um aluno. Leiam e compartilhem para que possamos cobrar isso nas manifestações e para que se espalhe pelas redes. Caso prefiram, deixem seus contatos (e-mails) in box que envio ainda hoje uma cópia ok?




REESTRUTURAÇÃO DO PL 480 DE 2007

Opinião Pública

I - PL 480 DE 2007

Trata-se, nas palavras do próprio redator ROMEU TUMA, em seu relatório na tramitação da PL 480, de 2007, de projeto de lei de autoria do Senador CRISTOVAM BUARQUE que obriga os agentes públicos eleitos para os poderes executivos e legislativo federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal a matricular filhos ou outros dependentes em escolas públicas de educação básica.

De acordo com a COMISSÂO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, representada pelo Senador ROMEU TUMA, o projeto inflige os direitos de Livre Arbítrio, em outras palavras, os direitos de liberdade individuais, ataca os direitos e as estruturas financeiras de escolas de ensino privado e, por fim, interfere em benefícios tributários visto que há o desconto de parte dos gastos do país em ensino privado diretamente no Imposto de Renda e este pode vir a ser um motivo para escolher o mesmo.

Esta carta de proposta de reestruturação representa a opinião pública a respeito do caso, do projeto, da tramitação, das réplicas e das decorrentes manifestações públicas nas semanas do mês seis (06 ou Junho) de 2013, visando uma somática de valores aos já propostos por CRISTOVAM BUARQUE que seja exposta e aplicada a mando da população.

Vale frisar que esta é uma carta pública. Sua aceitação pela câmara, pela presidência e até da população nacional é de extrema importância. Esta é uma iniciativa popular que tem como principal objetivo compreender as vontades e a opinião pública de forma anônima, porém efetiva.

II – Lei de Deveres Políticos

Art. 1º Os agentes públicos eleitos para os Poderes Executivo e Legislativo federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal são obrigados a utilizar, majoritariamente, dos serviços públicos que representam, dessa forma garantindo o empenho e o compromisso político com o interesse público;

1.1 Todos os cargos deverão ser organizados e taxados de forma a representar seu envolvimento direto com as questões públicas e dividir esses envolvimentos entre: Educação, Saúde, Transporte e Segurança;

1.1.1 Vale relevar a importância de cada um dos ministérios. Os quatro elementos apresentados acima não desvalorizam, nem têm como objetivo menosprezar cada cargo ou ocupação pública, mas é uma forma de regulamentar as circunstâncias de forma simples;

1.2 Os cargos políticos taxados como referentes à Educação terão de cumprir, obrigatoriamente, os itens abaixo:

- Os filhos e demais dependentes deverão cursar o ensino regular (básico, fundamental ou médio) em escolas públicas;

- Não há restrições quanto ao aproveitamento ou uso de cursos extracurriculares de iniciativa privada.

1.3 Os cargos políticos taxados como referentes à Saúde terão de cumprir, obrigatoriamente, os itens abaixo:

- Todos os exames ou consultas próprios ou de dependentes familiares deverão ser feitos em instituições de saúde pública regidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

- Todas as operações ou tratamentos próprios ou de dependentes familiares deverão ser feitos em instituições de saúde pública regidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

1.4 Os cargos políticos taxados como referentes ao Transporte terão de cumprir, obrigatoriamente, os itens abaixo:

- O gabinete ou escritório do indivíduo que ocupar o cargo deverá ser movido para outra cidade e só poderá ser acessado se o mesmo se locomover para o local utilizando de serviços de transporte público ou andar até o mesmo.

1.5 Os cargos políticos taxados como referentes à Segurança terão de cumprir, obrigatoriamente, os itens abaixo:

- Utilização apenas do serviço de segurança público, vetando assim a contratação de empresas ou indivíduos que operem no ramo de segurança privada.

1.6 A definição/taxação dos cargos de acordo com os compromissos e obrigatoriedades citados acima deverá ser atribuída através de uma reunião política de emergência constitucional onde os resultados deverão ser, em seguida, aprovados pela opinião pública através do mesmo sistema de votos instalado nas eleições de cargos políticos;

1.7 Todos os compromissos e obrigatoriedades, se não cumpridos, poderão levar, na terceira inflação, à exoneração imediata do cargo;

1.8 Casos devidamente comprovados de emergência de saúde, social ou pessoal, não contarão inflações aos compromissos e obrigatoriedades acima;

Art. 2º Diante das revoltas populares, para evitar mais confrontos e agilizar o processo, esta lei deverá estar em vigor em todo o Brasil até, no máximo, o segundo semestre de 2014;

III – Justificação

Nossa nação se encontra num momento de calamidade onde, diante de um evento internacional de imensa importância à economia e política do país, a população reclama da falta de investimentos e atenção dada para questões públicas como transporte, segurança, saúde e educação.

Problemas recorrentes como a desvalorização do professor, aumento abusivo das taxas do transporte público, falta de estrutura para o atendimento nos postos de saúde pública, entre outros, levaram a calamitosa situação de revolta e manifestação pública, além dos conflitos desnecessários e violentos entre a população e a policia.

É curioso que a maioria dos dirigentes de nosso país apoiem as reclamações, utilizando apenas ou de forma majoritária de serviços de iniciativa privada, demonstrando a má qualidade dos serviços públicos.

A pergunta que eclode na cabeça de muitos é então: Se os dirigentes de nosso país, que podem fazer a diferença e mudar os sistemas de serviço público, se recusam a utilizar dos mesmo, por que nós temos de nos contentar com estes sistemas?

A aprovação desta lei seria então uma forma simbólica de apresentar o compromisso político com os sistemas públicos que regem o país.

É injustificado que os representantes de nosso país apoiem a divisão social desde o tratamento/uso de serviços públicos. Os mesmos devem REPRESENTAR a vontade pública. Devem, a partir da opinião pública, estruturar o país.

Pensando assim e entendendo a função dos cargos políticos, dos dirigentes e representantes, podemos afirmar que uma forma simples, clara e objetiva de obter sucesso na estruturação do país, seria tomando representantes de serviços públicos que, de fato, precisem deles. De qualquer outra forma, a análise impessoal não seria suficiente para entender as dores e os obstáculos enfrentados pela população brasileira que depende desses serviços. É de extrema importância que o representante entenda e possa defender seu trabalho utilizando do resultado do mesmo.

IV – Réplica à Redação contra o PL 480

A incorporação de um cargo público eleitoral implica, diretamente, num compromisso social de melhoria das condições humanas e dos serviços públicos.

Da mesma forma que existem outras leis e regras para a melhoria do ambiente social geral da nação, a criação dessa lei deve ser feita para estabilizar o contentamento público e afirmar esse compromisso entre eleito e eleitor.

As leis e regras ditadas à população são utilizadas como formas de definir o que é eticamente e socialmente correto, melhorando o convívio populacional e, de certa forma, impedindo que o cidadão realize alguns atos para o seu bem ou o bem geral da nação.

É interessante que o mesmo seja pedido dos dirigentes da nação."

20 de junho de 2013

O verdadeiro custo do transporte - você está sendo roubado

Segundo o divulgado pela Prefeitura de São Paulo o custo total para bancar o passe livre seria de 6 bilhões de reais ao ano. Esse valor sendo dividido pela população paulista dá um resultado de R$ 1,44 por dia por pessoa podendo andar em quantos ônibus quiser.

Agora imagine o lucro das empresas com os usuários pagando R$ 3,00 por viagem.

Isso se repete em todo o Brasil. Essa diferença banca boa parte das campanhas nos municípios e os prefeitos por sua vez - uma vez eleitos - deixam as empresas otimizarem seus lucros. Além de roubarem o usuário ainda sequestram sua dignidade, transportando pessoas como animais.

18 de junho de 2013

O porquê das manifestações - "Eu sou do povo, eu sou um zé ninguém" por isso eu sei

Temos visto a grande mídia atônita e constantemente mudando o tom de suas reportagens. Temos visto os políticos perdidos em suas declarações e atitudes. Temos visto a polícia sendo usada de forma distorcida pelos governantes em uma vã tentativa de sufocar as vozes da indignação. Temos visto o povo nas ruas exercendo seu legítimo e constitucional direito de expressão. Qual o motivo disso tudo?


A grande mídia erra ao subestimar as pessoas achando que todos são um clone do Homer Simpson. Subestima também o verdadeiro alcance da internet. Não somos o Homer e na verdade rimos dele. Usamos a rede para consumir e também para falar e fazer política. O povo passou de espectador boquiaberto com as maravilhas da tela a agente que por vezes deixa os que estão por trás da tela boquiabertos.


Os políticos acreditam piamente que a democracia no Brasil deve se resumir no povo teclando alguns botões a cada dois anos e dando legitimidade da assunção ao poder do grupo que gastar mais dinheiro na campanha. Passada a eleição eles se encastelam em seus feudos burocráticos e começam a tramar formas de devolver a grana de quem bancou a campanha e ainda ganhar algum no processo. O povo passa a ser um incômodo em tudo que não seja o pagamento de tributos.


A polícia, conveniente e anacronicamente mantida como militar, se vê sendo usada como uma ferramenta nas mãos dos governantes para afrontar a constituição reprimindo com violência o exercício de direitos garantidos pela constituição. Tentam calar com balas e bombas a voz das ruas que clama pelo direito de caminhar em direção à civilização e não para os campos de futebol superfaturados.


O povo, que parece ter despertado, na verdade está é desesperado, desamparado, sem saúde, sem educação, sem amparo na velhice, sem proteção contra a violência, sem isso e sem aquilo.

O que difere a atualidade de outros tempos passados é que agora sabemos que o dinheiro existe e é nosso. Se não chega até nós é que as prioridades dos governantes estão dissociadas nas necessidades da população assim como os próprios governantes estão dissociados da realidade. Eles vivem em um mundo da fantasia cercados de puxa-sacos e privilégios por todos os lados. Nós descobrimos isso.

Corram rápido para suas janelas, senhores governantes, e poderão escutar a voz do povo nas ruas. Prestem atenção ao ela diz. Entendam isso: "Eu sou do povo, eu sou um zé ninguém" e por esse motivo sei o que estou falando.


QUEM TEM FORO PRIVILEGIADO NÃO É POVO

Leia também:

14 de junho de 2013

PT, PSDB, PMDB, PQP. Todos contra você.

Qualquer grupo político tem dois objetivos: conseguir o poder e se manter no poder. Durante o processo para alcançar os postos eletivos o discurso dos grupos vai se adaptando ao que o povo deseja ouvir. Se a segurança está ruim então o discurso será de melhorar a segurança. Se a saúde é um lixo, então vamos priorizar a saúde, e assim por diante. Quando alcança o poder o discurso muda, o povo atrapalha e as promessas são esquecidas.

São os mercadores da esperança.


Mas promessas não cumpridas vão se acumulando com o tempo. Grupos entram e saem mas as coisas só mudam em sua aparência. Mudam só para continuar como estavam antes. Afinal, a educação, a saúde, o transporte, a segurança, a carga tributária, e principalmente a falta de verdadeira democracia, tudo permanece como sempre foi. Uma ilha da fantasia cercada de quadrilhas, digo, partidos, por todos os lados.

O discurso é um mas a realidade é outra.


Ontem foram vários protestos pelo Brasil - não só Rio e Sampa - e em todos a repressão policial resultou em feridos e presos. Muitos dos quais nem estavam no protesto. Somos um país de vândalos ou temos governos que usam a polícia para reprimir quem os contraria. A distorção é tão grande que os manifestantes estão sendo acusados de "formação de quadrilha". Criminalizar a manifestação tipificando como formação de quadrilha demonstra o quanto o poder constituído despreza a lei. Basta uma rápida consulta ao conceito firmado nos julgados do STF para entender o que é formação de quadrilha e definitivamente não é isso.

Interessante que policiais em São Paulo foram filmados quebrando o vidro da viatura para alegar vandalismo dos manifestantes e justificar suas condutas arbitrárias e ilegais mas a grande imprensa só mudou o tom - bem pouco por sinal - após vários jornalistas terem sido atingidos por balas de borracha e presos por portar vinagre. Não é piada, portar vinagre deu cadeia ontem, no Brasil do século XXI. Jornalista que cobre manifestação popular no Brasil corre mais risco de ser alvo da violência que correspondente de guerra. 

Numa só tacada a polícia acertou seis jornalistas que cobriam a manifestação.

Jornalista Giuliana Vallone

Mas vamos ao ponto: governo de São Paulo PSDB; prefeitura de São Paulo PT; governo do Rio de Janeiro PMDB; prefeitura do Rio PMDB; presidência do Brasil PT. Tais partidos - que no discurso defendem ideologias diferentes - foram uníssonos em afirmar que os manifestantes são baderneiros e que a polícia tem que intervir para proteger o patrimônio e o direito de ir e vir. Ironicamente a PM até fechou a Avenida Paulista para que manifestantes não fechassem a Avenida Paulista.

O governo federal chegou ao cúmulo de afirmar que poderia mandar apoio ao governo de São Paulo se necessário. No Rio de Janeiro o governador disse que o protesto é político - como se isso fosse pejorativo. O PT, por coerência com sua história, deveria mandar ajuda aos manifestantes e senhor governador do Rio, claro que é político, até a forma como se pede um café no boteco é política.

Na prática temos de um lado boa parte da população - muitos não estavam lá mas apoiam o movimento e se a coisa continuar vão acabar participando também - e de outro lado os partidos políticos que se sentem incomodados com manifestações populares e usam o poder de império do Estado para reprimir as manifestações.

Não se iluda. Uma vez no poder estão contra você.


A repressão estatal não se deu somente através das prisões arbitrárias. A coisa foi além. As câmeras do trânsito no centro de São Paulo ficaram desligadas durante os protestos, a tipificação forçada como formação de quadrilha é inafiançável e tira de circulação por um tempo - a justiça é notoriamente morosa - muita gente que participou do protesto, liminares judiciais que proíbem outras manifestações estão pipocando pelos tribunais além de muitas outras manobras igualmente maquiavélicas e atentatórias à democracia que surgem a cada momento.

Governantes são especialistas em dissimular desde sempre.


Agora a grande piada: "destruição do patrimônio público". Gastar bilhões com a copa é destruir o patrimônio público. Privatizar o Maracanã após gastar 1,5 bi é destruir o patrimônio público. Entregar concessões nas mãos de quem não presta o serviço de forma correta é destruir o patrimônio público.

Deixar de educar o jovem é destruir o maior patrimônio público de todos - o futuro do país.

Mas nenhum vagabundo está preso por isso.


P.S.: A atuação da polícia ontem me fez lembrar do Chaplin sendo preso no filme Tempos Modernos. Tanto anos depois e nada mudou.

P.S.2: Se você simpatiza com algum partido entenda que partidos (deveriam mas) não representam ideologias. Não confunda as duas coisas.
2leep.com